Pesquisar este blog

Carregando...

terça-feira, 25 de novembro de 2014

PROFESSOR, PROFISSÃO EM EXTINÇÃO!



Menos de 1/6 da população brasileira pensa em ser professor

A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), em parceria com o Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), divulga estudo realizado pelo Data Popular e que revela a opinião da população sobre a educação e os profissionais de educação. A pesquisa foi lançada durante a segunda Conferência Nacional de Educação (CONAE), na sexta-feira (21), em Brasília.
De acordo com o levantamento, segurança é o fator mais importante para que a escola seja de qualidade, seguida de valorização dos professores e funcionários. A falta de perspectiva na carreira é outro ponto a ser analisado: a população considera a profissão de professor o ofício mais importante para que o país tenha um bom futuro, mas apenas 15% gostariam em virar educador.
Para o presidente da CNTE, professor Roberto Franklin de Leão, os números refletem a triste realidade da escola pública brasileira: "Consideramos fundamental ter um instituto de pesquisa qualificado comprovando as informações que os trabalhadores em educação vivenciam no dia a dia da escola. Esse documento revela dados que há tempos a CNTE aponta para a sociedade".
A pesquisa também levou em consideração aspectos relacionados à valorização, formação (capacitação) e remuneração dos professores e dos profissionais da educação. O estudo mostra também que 99% dos brasileiros acreditam que a educação é muito importante para o futuro do Brasil.
Na avaliação do coordenador do Fórum Nacional de Educação e da CONAE, Francisco das Chagas Fernandes, a valorização dos profissionais de educação passa por três caminhos: salário (ganho real do Piso), Diretrizes Nacionais de Carreira e a formação inicial e continuada. "Esse tripé é necessário para garantir um sistema de formação de professores no país", resumiu o coordenador.

Valorização do professor

Os entrevistados também entram em consenso quando o assunto é valorização dos professores, já que 98% avaliam que a profissão deveria ser mais valorizada. Na opinião dos brasileiros, oferecer uma educação de qualidade está ligada diretamente à valorização do professor. Por isso, boa parte dos entrevistados acredita que a saída para uma educação de qualidade é ter professores qualificados, bem preparados e com melhores salários. Para 76%, os professores são menos valorizados do que deveriam pela população, enquanto 85% acham que os professores são menos valorizados do que deveriam pelo governo.

Melhores salários

O salário oferecido aos professores da rede pública é considerado ruim ou péssimo para 66% dos consultados. Apenas 8% disseram que é bom. Quando questionados sobre os salários dos professores das escolas privadas, 49% disseram que a remuneração é ótima ou boa. Sendo assim, 98% consideram importante que professores e funcionários das escolas tenham bons salário para que a escola seja de qualidade.

Os entrevistados também reconhecem que o professor deveria ser a profissão com a melhor remuneração. Por outro lado, a maioria acredita que são os médicos, engenheiros e advogados que recebem os salários mais altos. Como forma de valorização, 85% dos brasileiros acreditam que os profissionais da educação deveriam ter um piso salarial nacional que valorize o salário.

Educação de qualidade

Entre os principais benefícios que a educação pública de qualidade pode trazer para a sociedade brasileira, os entrevistados destacaram: redução da violência, combate à pobreza, melhores empregos e formação de bons profissionais. E a maioria (59%) avalia que as escolas públicas estão longe de ter uma educação de qualidade. Outro aspecto abordado no estudo está relacionado ao futuro profissional. Para 48%, os alunos de escolas particulares têm mais chances de ter um bom emprego do que alunosque estudaram na rede pública. Como forma de melhorar a qualidade da educação, 94% são a favor da educação em tempo integral.

Papel dos governos

A responsabilidade dos governos federal, estadual e municipal também alvo da pesquisa. Para 43%, o governo federal é responsável pela educação pública em geral, enquanto 27% atribuem a responsabilidade ao governo municipal. Para melhorar a educação, 87% são favoráveis ao governo destinar 10% do PIB para educação. Hoje, são 6,5%. O tema educação também é levado em consideração na hora de escolher o candidato, já que 72% dos brasileiros se informar sobre educação antes de votar.
Metodologia da pesquisa
A pesquisa foi realizada em setembro de 2014, com 3 mil pessoas com mais de 16 anos, em 100 municípios, nas cinco regiões do País.


Congresso Estadual do SINTE/RN

14º Congresso Estadual dos Trabalhadores em Educação Pública acontece nesta semana


Nesta quinta, sexta e sábado,  27, 28 e 29 de novembro, no Mardunas Centro de Eventos, em Nísia Floresta, será realizado o 14º Congresso Estadual dos Trabalhadores em Educação Pública.
O congresso terá como tema o PNE (Plano Nacional de Educação) Desafios e Perspectivas na Sua Implementação. Na ocasião, haverá discussões e debates acerca da construção de políticas para a categoria, proposições e teses que serão apresentadas e aprovadas para os próximos três anos.
Durante o evento, a direção do SINTE/RN vai disponibilizar um ônibus para o transporte dos delegados (as), onde também será oferecido almoço. O congresso também é aberto para convidados. Confira abaixo a programação:

Programação

Dia 27/11  (quinta-feira)
- 14h às 16h – Credenciamento e substituições delegados/suplentes
- 16h – Cerimônia de abertura: Conferência sobre Conjuntura Internacional, Nacional e Estadual
Palestrantes: Carlos Abicalil – Presidente da CSI, Jandira Uehara – Diretora Executiva da CUT/Brasil e Fernando Mineiro – Deputado Estadual (PT/RN)
- 19h – Aprovação do regimento e votação de recursos
- 20h30 – Jantar

DIA 28/11  (sexta-feira)
- 8h às 10h – Credenciamento e substituição dos delegados
- 8h às 10h – Mesa Temática I: Desafios da Formação e Valorização Profissional dos Trabalhadores em Educação
Palestrante: Roberto Franklin de Leão – Presidente da CNTE
- 10h às 12h – Mesa Temática II: O Financiamento da Educação no PNE e a Construção do Sistema Nacional de Educação Palestrante: Joel de Almeida Santos – Secretário de Imprensa e Divulgação da CNTE
- 12h às 13h30 – Almoço
- 13h30 às 16h30 – Grupos de Trabalho
Grupo I – Conjuntura
Grupo II – Política Sindical
Grupo III – Política Educacional
Grupo IV – Plano de Lutas e Balanço
Grupo V – Políticas Permanentes
Grupo VI – Estatuto
- 16h30 às 18h – Aprovação do Balanço Patrimonial do Sinte/RN
- 19h – Jantar
- 20h – Lazer Coletivo

DIA 29/11 (sábado)
- 8h às 12h – Plenária Final
Aprovação dos Relatórios dos Grupos de estudos do documento base
- 2h – Encerramento
- 13h – Almoço

Taxa de Inscrição
Nível superior: R$ 20,00
Nível médio: R$ 15,00
Nível fundamental: 10,00

Qualquer dúvida é só ligar para o SINTE/RN no telefone: (84) 3211- 4434


(Fonte:http://sintern.org.br, publicado em24/11/2014)

sábado, 22 de novembro de 2014

No dia 20 de novembro de 1895 morria em cambate Zumbi dos Palmares

Você sabe quem foi Zumbi dos Palmares?

Zumbi (1655 – 1695) foi o último dos líderes do Quilombo dos Palmares, o maior dos quilombos do período colonial. Zumbi nasceu na então Capitania de Pernambuco, na serra da Barriga, em 1655, região hoje pertencente ao município de União dos Palmares, no estado brasileiro de Alagoas.
A palavra Zumbi, ou Zambi, vem do termo nzumbe, do idioma africano quimbundo, e significa fantasma, espectro, alma de pessoa falecida.
O Quilombo dos Palmares era localizado na Capitania de Pernambuco, atual região de União dos Palmares, Alagoas - era uma comunidade, um reino formado por escravos negros que haviam escapado das fazendas, prisões e senzalas brasileiras. Ele ocupava uma área próxima ao tamanho de Portugal. Naquele momento sua população alcançava por volta de trinta mil pessoas.
Zumbi nasceu na Serra da Barriga, Capitania de Pernambuco, atual União dos Palmares, Alagoas, livre, no ano de 1652, mas foi capturado e entregue a um missionário português quando tinha aproximadamente seis anos. Batizado 'Francisco', Zumbi recebeu os sacramentos, aprendeu português e latim, e ajudava diariamente na celebração da missa.
Por volta de 1678, o governador da Capitania de Pernambuco, cansado do longo conflito com o Quilombo de Palmares, se aproximou do líder de Palmares, Ganga Zumba, com uma oferta de paz. Foi oferecida a liberdade para todos os escravos fugidos se o quilombo se submetesse à autoridade da Coroa Portuguesa; a proposta foi aceita pelo líder, mas Zumbi rejeitou a proposta do governador e desafiou a liderança de Ganga Zumba. Prometendo continuar a resistência contra a opressão portuguesa, Zumbi tornou-se o novo líder do quilombo de Palmares.
Quinze anos após Zumbi ter assumido a liderança, o bandeirante paulista Domingos Jorge Velho foi chamado para organizar a invasão do quilombo. Em 6 de fevereiro de 1694 a capital de Palmares foi destruída e Zumbi ferido. Apesar de ter sobrevivido, foi traído por Antonio Soares, e surpreendido pelo capitão Furtado de Mendonça em seu reduto (talvez a Serra Dois Irmãos). Apunhalado, resiste, mas é morto com vinte guerreiros quase dois anos após a batalha, em 20 de novembro de 1695. Teve a cabeça cortada, salgada e levada ao governador Melo de Castro. Em Recife, a cabeça foi exposta em praça pública, visando desmentir a crença da população sobre a lenda da imortalidade de Zumbi.
Em 14 de março de 1696 o governador de Pernambuco Caetano de Melo de Castro escreveu ao Rei: "Determinei que pusessem sua cabeça em um poste no lugar mais público desta praça, para satisfazer os ofendidos e justamente queixosos e atemorizar os negros que supersticiosamente julgavam Zumbi um imortal, para que entendessem que esta empresa acabava de todo com os Palmares.
Mas, "Zumbi é considerado um dos grandes líderes de nossa história. Símbolo da resistência e luta contra a escravidão. Lutou pela liberdade de culto, religião e prática da cultura africana no Brasil Colonial. O dia de sua morte, 20 de novembro, hoje é lembrado e comemorado em todo o território nacional como o Dia da Consciência Negra.

(Fonte: http://pt.wikipedia.org)

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

PNE


CNTE lança caderno com avaliação do Plano Nacional de Educação


A sanção da Lei nº 13.005, publicada em edição extra do Diário Oficial da União do dia 26 de junho de 2014, é fruto de árdua luta da sociedade por um Plano Nacional de Educação (PNE) que responda às demandas urgentes da educação (pública) brasileira. Contudo, há entraves e armadilhas no PNE que podem minar sua capacidade de consecução das metas, sendo, portanto, papel do Caderno de Educação produzido pela CNTE esclarecer e contribuir com a mobilização social para a defesa da escola pública, universal, gratuita, laica, democrática e de qualidade socialmente referenciada. Confira a publicação completa aqui. 
(Fonte:http://www.cnte.org.br,  Publicado em 23 Setembro 2014)

#CNTEnaCONAE



No Dia da Consciência Negra Presidenta Dilma Rousseff destaca valorização do educador

A presidenta Dilma Rousseff saudou os participantes da A Conferência Nacional de Educação (Conae 2014), nesta quinta-feira (20), em Brasília (DF). Em seu discurso, reafirmou seu compromisso com a valorização dos professores: "A base da educação de qualidade é a valorização do professor, tanto na sua formação como no seu salário. Esse é um desafio inadiável que dentro das regulamentações nós vamos ter que considerar".
Em relação ao Dia da Consciência Negra – 20 de novembro – Dilma Rousseff destacou a importância da Lei de Cotas: "não só o racismo é crime, como tratar a igualdade racial de forma afirmativa é um valor fundamental constitutivo da nossa nacionalidade".

CNTE na CONAE

A CNTE está participando da 2ª CONAE, que tem papel importante no processo de construção do Sistema Nacional de Educação (SNE), à luz do regime de cooperação (art. 23, parágrafo único da CF-1988).
A Conferência Nacional de Educação (Conae 2014) vai até domingo (23), em Brasília, e conta com quatro mil participantes para discutir os rumos da educação no país. Com o tema norteador "O Plano Nacional de Educação (PNE) na Articulação do Sistema Nacional de Educação: Participação Popular, Cooperação Federativa e Regime de Colaboração", a Conferência apresentará um conjunto de propostas para subsidiar a implementação do PNE, com indicação de responsabilidades, corresponsabilidades, atribuições concorrentes, complementares e colaborativas entre os entes federados e os sistemas de ensino.

(Fonte:http://www.cnte.org.br)

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

EDIÇÃO ESPECIAL O BOLETIN INFORMATIVO DA CNTE EM HOMENAGEM AO 20 DE NOVEMBRO



RACISMO É CRIME: 
"Igualdade Racial não é só meu direito: é seu dever!"

Em 2003, a Lei nº 10.639 modificou a LDB, obrigando a inclusão, no currículo oficial da Rede de Ensino, da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”. A ideia é ressaltara importância da cultura negra e valorizar as matrizes africanas que formam a diversidade da sociedade brasileira. 
A Secretária de Combata o Racismo da CNTE, Ieda Leal, lembra que a missão de combate ao racismo envolve todo o ambiente escolar: “O professor, o funcionário da escola, todos devem contribuir para que o racismo no Brasil seja mesmo eliminado. Nós temos uma grande tarefa: a responsabilidade de elaborar atividades que envolvam tanto os alunos e as alunas quanto a sociedade em geral, pra que, de fato, eles possam nos ajudar no combate à discriminação, para que a diversidade seja valorizada”.
Como parte da campanha permanente aprovada pelo conjunto do coletivo Dalvani Lellis da CNTE, todos os sindicatos de educação filiados participam sistematicamente do combate à discriminação, levando o tema às escolas. O objetivo é reafirmar a garantia de leis e direitos. Ieda lembra que nos últimos meses houve exemplos positivos e reação à violência racial: “Quem comete crime tem de ser julgado e, com todas as provas, punido, pois essa situação causa sofrimento e dor e ninguém pode viver com esse tipo de opressão”.

No Brasil, diversas leis garantem o direito da igualdade. A própria Constituição Federal de 1988 prevê que “todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza”. Entretanto, a discriminação marca o dia a dia do brasileiro negro ainda hoje. Mas racismo é crime é precisa ser denunciado e combatido. 
Em 1951, foi criada a Lei 1390, mais conhecida como Lei Afonso Arinos, que proibia a discriminação racial no país. A Lei Caó, nº 7716, de 1989, passou a definir os crimes resultantes de preconceito de raça ou de cor; a de nº 8081, de 1990, estabeleceu os crimes e as penas aplicáveis aos atos discriminatórios ou de preconceito de raça, cor, religião, etnia ou procedência nacional, praticados pelos meios de comunicação ou por publicação de qualquer natureza; e a Lei nº 9459, de 1997, definiu crimes resultantes de preconceito de raça e cor. 
O Estatuto da Igualdade Racial foi criado para efetivara igualdade de oportunidades e a defesa dos direitos étnicos com a Lei nº 12.288, de 2010, combatendo a discriminação racial e as desigualdades raciais que atingem os afro-brasileiros.

QUE VERGONHA!
Ponha a mão na consciência

O Dia Nacional da Consciência Negra, celebrado em 20 de novembro no Brasil desde 1960, lembra a morte de Zumbidos Palmares, símbolo da resistência à escravidão. A data é dedicada à reflexão sobre o preconceito. Mesmo sendo crime inafiançável e imprescritível, previsto na Constituição Federal, o racismo é um dos maiores problemas enfrentados ainda hoje.
Para a CNTE, o dia 20 é um momento de reafirmar o compromisso da educação em combater o racismo na sala de aula. No início do ano, os sindicatos se envolveram na campanha “Copa sem Racismo”, estimulando a sociedade a participar da luta por um Brasil livre de discriminação nos estádios.
As escolas públicas estão fazendo parte desse momento importante de reunião de forças contra todo tipo de preconceito e discriminação racial. A ex-secretária de Igualdade Racial do Distrito Federal, a advogada Josefina Serra dos Santos, conta que foi alvo de racismo praticado por cinco Policiais militares no mês de outubro, na capital federal.

Para Drª Jô, como é conhecida, a humilhação impede que as pessoas denunciem. Por isso, é na escola que se começa a inibir e coibir esse tipo de coisa. “É só através da educação que isso vai mudar. Preconceito não é só contra negro, é contra a diversidade religiosa, a orientação sexual. Contra gordo, contra magro. Hoje chamam essa maldade de bullying, mas isso é discriminação, é racismo. É preciso ensinar e, acima de tudo, denunciar”, defende.

REAGIR À VIOLÊNCIA RACIAL SEMPRE

É na escola que reafirmamos o respeito às diferenças, pois a nossa Constituição diz que as leis existem para garantir os direitos de todos. Para a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação a escola tem papel fundamental no combate a qualquer tipo de discriminação. Por isso, neste mês de novembro, a CNTE estimula o debate com os estudantes. De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílios, divulgada em setembro, 107,6 milhões de brasileiros são pretos e pardos, o que corresponde a mais da metade da população do país, ou seja, 53,1% são considerados negros. Neste mês da Consciência Negra, lembre-se: racismo é crime. Se você for vítima ou presenciar um ato discriminatório, ligue para o 190 e denuncie.



BOLETIM INFORMATIVO CNTE


PISO E PLANOS JÁ



Não ao retrocesso!

Professores da rede estadual ameaçam iniciar 2015 com greve caso seja mantido o retrocesso na carga horária

Em assembleia realizada na tarde dessa terça-feira (18), os professores da rede estadual de ensino deliberaram pela não aceitação da recomendação do Ministério Público à SEEC que solicita a mudança na carga horária e ameaçam iniciar 2015 com greve.
De acordo com o pedido do Ministério Público o cálculo da jornada de trabalho passaria de hora aula para hora relógio, o que configura um enorme retrocesso para todos os professores.
A coordenadora geral do SINTE/RN, Fátima Cardoso, afirma que a categoria não vai aceitar a recomendação do Ministério Público: “Não vamos aceitar (a recomendação) neste ano, tampouco no próximo ano e/ou no próximo Governo”.
Para discutir o assunto, uma nova assembleia foi marcada para o primeiro dia do ano letivo de 2015.


(Fonte: http://sintern.org.br, publicado em   19/11/2014)

terça-feira, 18 de novembro de 2014

NOTA



SINTE/RN divulga nota sobre posicionamento frente os governos Dilma e Robinson

Nesta quarta-feira (29) o SINTE/RN divulgou uma nota em que externa o seu posicionamento frente os governos Dilma e Robinson. A nota, que está sendo divulgada em todos os meios de comunicação do SINTE, bem como será fixada nos murais das escolas, é direcionada aos trabalhadores em educação, sobretudo os filiados do Sindicato. Abaixo confira a nota na íntegra.

POSICIONAMENTO DO SINTE/RN FRENTE OS GOVERNOS DILMA E ROBINSON

A ELEIÇÃO TERMINOU, mas nossa luta não tem trégua. O SINTE/RN alerta: não alimentamos ilusões de conquistas sem luta! Por isso, reafirmamos nossa total independência de partidos e governos.
TEMOS CONSCIÊNCIA de que, independente da sigla partidária, governos são disputas de projetos. E numa sociedade capitalista valores maiores, como a educação pública, são costumeiramente atacados, até mesmo quando o gestor tem afinidade com nossa luta.
O SINDICATO ESTÁ PRONTO para organizar a categoria para defender a educação e seus trabalhadores em todos os seus estágios. Da negociação e diálogo, até à greve, se se fizer necessária. As posições eleitorais se encerram com o fim da eleição.
AGORA É HORA de fazer valer a nossa força, lutar por nossos direitos e ampliar nossas conquistas. Isso não vem de graça. Isso não vem sem organização e luta.


(Fonte: http://sintern.org.br, 29 de outubro de 2014)