Total de visualizações de página

segunda-feira, 14 de abril de 2014

Inscrições para o II Seminário Internacional Diálogos com Paulo Freire foram prorrogadas até o dia 16 de abril

As inscrições para o II Seminário Internacional Diálogos com Paulo Freire foram prorrogadas até o dia 16 de abril. O evento terá como tema “Ensinar, aprender: leitura do mundo e leitura da palavra” e será realizado nos dias 23, 24 e 25 de abril no IFRN, em Natal. Confira o folder do II Seminário Internacional Diálogos com Paulo Freire AQUI.
O seminário pretende refletir sobre as organizações nascidas das relações entre os docentes e discentes e os processos de ensino-aprendizagem como construções de novos saberes.

O investimento é de R$ 60 para filiados ao SINTE/RN e estudantes e de R$ 120 para o público em geral. Esse valor inclui almoço. Faça sua inscrição AQUI! Confira as normas para submissão de trabalhos científicos AQUI.
Mais informações:
ü  Gidalia Andrade, Diretora de Assuntos da Capital (Fones: 3211-4434 ou 3211-4432)

sexta-feira, 11 de abril de 2014


QUEM FOI HONESTINO GUIMARÃES?

                                                                                                       
“Ainda que nos prendam,
Ainda que nos matem,
Mesmo assim voltaremos e
Seremos milhões”

(Honestino Guimarães)

Honestino Monteiro Guimarães Nasceu em Itaberaí-GO, em 28 de março de 1947 e desapareceu em 10 de outubro de 1973. Filho de seu Benedito Monteiro Guimarães e Dna Maria Rosa Leite Monteiro. Em 1960 sua família mudou-se para a recém-inaugurada Brasília, capital federal. 
Em 1964, quando houve o Golpe de Estado no Brasil, Honestino estava cursando o terceiro ano do Centro Integrado de Ensino Médio de Brasília, onde iniciou sua militância no movimento secundarista. No ano seguinte (1965) prestou vestibular para o curso de Geologia na Universidade de Brasília - UnB, passando em primeiro lugar.
Em agosto de 1967, Honestino Guimarães foi eleito para o Diretório Acadêmico de Geologia e, mesmo preso pela quarta vez, foi escolhido presidente da Federação dos Estudantes Universitários de Brasília (FEUB). Em agosto de 1968 seu pai representou-o por procuração para que ele pudesse casar-se com Isaura Botelho, militante estudantil.
Ainda em agosto de 1968, forças do exército e polícia política invadiram a UnB para cumprir mandados de prisão contra Honestino e mais sete lideranças estudantis. Honestino foi arrancado da sede da FEUB e ficou preso até novembro, sendo desligado da UnB como punição por ter liderado a revolta pela expulsão de um falso professor da universidade. Em dezembro daquele ano, três dias depois da edição do AI-5, seu pai faleceu vítima de “acidente” de carro a caminho do trabalho, em Taguatinga. No enterro, policiais ocuparam o cemitério com viaturas e Honestino, que estava escondido em Goiânia, não pôde ir ao funeral.
No início de 1969, Honestino muda-se com sua esposa, Isaura, para São Paulo passando a viver na completa clandestinidade. Em 1970 nasce a única filha do casal, Juliana. Em 1971 assume interinamente a União Nacional dos Estudantes (UNE), quando o presidente da entidade Jean Marc foi preso. No mesmo ano, no congresso da UNE realizado em 1971, na clandestinidade, na Baixada Fluminense, Rio de Janeiro, foi eleito presidente, tendo sido um dos mais notáveis dirigentes da entidade durante o período da Ditadura Militar.
Em fins de 1971, separado de Isaura, transferiu-se para o Rio de Janeiro onde continuou vivendo clandestinamente com sua nova companheira. Honestino permaneceu coordenando atividades estudantis, desempenhando as tarefas de sua organização política e lutando contra o regime militar até que em 10 de outubro de 1973, após cinco anos de clandestinidade, aos 26 anos de idade, Honestino é preso pela última vez por militares do Centro de Informação da Marinha (CENIMAR).
Antes de sua última prisão, Honestino escreveu o seu Mandado de Segurança popular, em que dizia aos companheiros: "a minha situação é de uma vida na clandestinidade forçada... sofri vários processos, alguns já julgados. (Eles mostram) com clareza o particular ódio e a tenaz perseguição da qual sou objeto... Por diversas vezes fui ameaçado de morte".
A partir de então sua mãe, Dona Maria Rosa, inicia uma penosa e incansável procura a fim de localizá-lo, sendo autorizada a visitá-lo no Pelotão de Investigações Criminais de Brasília, no Natal de 1973, mas no dia da visita disseram a ela que ele não estava ali. Depois disso, não se soube mais do paradeiro de Honestino se tornando um desaparecido político, uma vítima da prisão, da tortura, da morte e da ocultação, uma vítima dos crimes praticados pela Ditadura Militar. Seu desaparecimento foi denunciado pelos presos políticos de São Paulo em documento datado de 1976.
Somente no dia 12 de março de 1996 teve seu óbito oficialmente reconhecido, sendo laureado pela UnB no ano seguinte com o Mérito Universitário. Em sua homenagem, a principal organização estudantil Diretório Central dos Estudantes (DCE) da Universidade de Brasília passou a se chamar “Honestino Guimarães”, como também o Grêmio Estudantil do Centro de Ensino Médio Elefante Branco, onde estudou, e o centro acadêmico do curso de Geologia da Universidade Federal do Ceará.

(Pesquisa bibliográfica: Hugo Martins - Fonte:http://honestinoguimaraes.com.br; http://pt.wikipedia.org e http://unb.brwww.une.org.br)


quinta-feira, 10 de abril de 2014


SINTE/RN denuncia estratégia maquiavélica do Governo de não devolver integralmente do corte ilegal do ponto

O SINTE/RN denuncia que o governo está usando de estratégia maquiavélica para adiar o pagamento dos salários dos grevistas que tiveram o ponto ilegalmente cortado e que ainda não receberam. Mesmo o Sindicato saindo vitorioso na ação que impetrou contra o executivo estadual obrigando-o a pagar os salários dos grevistas o Governo segue tentando protelar o pagamento.
Apesar de deter o controle total da folha de pagamento dos servidores, o governo tem provocado a categoria ao solicitar do sindicato os nomes dos professores prejudicados, transferindo, dessa maneira, a responsabilidade para o SINTE/RN. Diante disso, a coordenadora Fátima Cardoso, enfatiza que não temos o controle sobre esses nomes, mas mesmo assim a listagem de posse do Sindicato foi enviada.
Segundo levantamento da Regional de Caicó do SINTE/RN, os trabalhadores em educação de Caicó, sede da 10ª DIRED, continuam sendo prejudicados com a medida punitiva, autoritária e ilegal do Governo do Estado do desconto dos salários dos servidores. Cerca de 21 companheir@s educadores(as) ainda permanecem com seus salários cortados, sendo: 15 da E. E. Senador Guerra; 04 do Centro Educacional José Augusto (CEJA), e 02 da E.E. Prof. Calpúrnia Caldas de Amorim (EECCAM).
Tais servidores tiveram seus salários cortados (fevereiro e/ou março de 2014) pelo Governo do Estado e até o presente momento (10/04) ainda não foram ressarcidos do desconto indevido. O Governo do Estado permanece contrariando a determinação judicial do TJ/RN, expedida no dia 12 de maço, que determinou o pagamento dos valores descontados nos salários de “TODOS” os trabalhadores grevistas no prazo de cinco dias úteis (encerrado no dia 21 de março), sob pena de pagamento de multa indenizatória diária de R$ 1.000.00 (um mil Reais).
A Regional de Caicó do SINTE/RN entende que, esgotado o prazo determinado pela justiça para o pagamento (ressarcimento) de TODOS os servidores prejudicados com a medida administrativa ilegal por parte do Governo e não tendo o mesmo cumprido o prometido (acordado) de pagar a TOD@S @s trabalhadores(as) em educação afetad@s com a autoritária medida, em troca da dispensa da referida multa, permanece a multa judicial pelo não cumprimento (em sua plenitude) da determinação judicial, incorrendo ao Governo (especificamente à Secretária de Educação, Betânia Ramalho) o pagamento da multa diária, que hoje (10 de abril) corresponde de a cerca de R$ 25.000,00 (vinte e cinco mil Reais), valor que não pode nem deve ser dispensado pelo sindicato.
A Coordenação regional do SINTE/RN de Caicó repudia a política revanchista, autoritária, antidemocrática e ilegal cometida pelo Governo Rosalba do corte punitivo nos salários dos servidores, mantida mesmo após a decretação da suspensão da greve e, de antemão, conclamamos a tod@s os trabalhadores(as) em educação prejudicad@s a procurar a assessoria jurídica da regional afim de formalizar um processo de ação judicial indenizatória para requerer uma indenização pelos danos morais causados ao servidores.




terça-feira, 8 de abril de 2014


SINTE/RN esclarece dúvidas sobre erros na devolução do desconto da greve

Em visita à SEEC a direção do SINTE/RN esclareceu algumas dúvidas sobre os erros na devolução dos descontos feitos nos salários de alguns grevistas. O desconto foi feito apenas no salário base, por isso não foi possível pagar a Previdência, a contribuição ao Sindicato, os empréstimos, etc. Desse modo a devolução foi feita descontando esses itens que não foram descontados anteriormente do salário.
“Todo mês é descontado do meu salário, por exemplo, o percentual da previdência do IPERN, a contribuição ao SINTE/RN, meus empréstimos, entre outras coisas. Como eu fiquei sem salário – por causa do corte de ponto ilegal – não foi possível descontar esses itens de outros benefícios meus como quinquênios (que não sofreram descontos), por isso eles estão sendo pagos agora com a restituição do salário”, explica a diretora de assuntos jurídicos Vera Messias.
Com base nisso, o Sindicato orienta que quem não recebeu a devolução integral do salário descontado deve averiguar nocontracheque se o que falta não é justamente a parte correspondente a esses descontos. Se for, a devolução foi feita corretamente, se não, devem tomar as providências junto ao SINTE/RN para receber o que lhe é devido.
Alguns profissionais de Caicó e de Umarizal não receberam os salários descontados ainda. O Sindicato apurou que foi mais um erro da SEEC, mas a chefe de gabinete prometeram que estão resolvendo e que eles receberão o mais breve possível.

sábado, 5 de abril de 2014

VITÓRIA PARCIAL



Governo voltar atrás e devolve parte do dinheiro do corte ilegal nos salários dos grevistas
Na última sexta-feira (4) saiu parte da devolução do desconto feito indevidamente nos salários dos grevistas. O recuo da secretária Betânia Ramalho se deu devido a dois fatores: a elevação do valor total da multa diária, à Secretária Betânia Ramalho, imposta pelo TJ/RN, que já somava R$ 15 mil, e a derrota no primeiro movimento do processo no Supremo Tribunal Federal (STF), que estendeu o prazo para a definição da sentença.
No programa semanal da Regional do SINTE/RN, “Educação em Destaque”, que vai ao ar todo sábado, das 11:30 às 12:00 horas, na Rádio Rural–AM, em Caicó, O professor Ronaldo Carlos, após relatar sobre a saga vivenciada pelos trabalhadores em educação do estado, prestou solidariedade a tod@s que ainda não receberam os repasses do desconto ilegal e indevido. Em seguida, a professora Zeneide, falou sobre a importante manifestação de protesto realizada no dia 1° de abril, promovida pela sindicato, em Caicó, com grande participação de professores e estudantes, que caminharam pelas ruas da cidade até a sede da 10ª DIRED, protestando contra o corte ilegal do ponto dos grevistas, denunciando, em seguida, que muitos professores ainda não haviam recebido, até o presente momento, qualquer repasse por parte do governo dos descontos ilegais.
O professor Hugo Martins, coordenador do sindicato, afirmou que o pagamento dos descontos ilegais dos salários dos grevistas, ocorrido na última sexta feira (dia 4), se constitui uma vitória parcial dos trabalhadores em educação, uma vez que, em Caicó, vários colegas (do CEJA, da Escola E. Senador Guerra, EECCAM) ainda não receberam os repasses dos salários ilegalmente descontados pelo Governo, e que, mesmo aqueles que os receberam, os valores repassados não foram integrais, sendo inferiores aos descontos, tratando-se, portanto do desconto indevido do desconto ilegal. Afirmou ainda que “não podemos descansar até que tod@s sejam integralmente ressarcidos. Só assim, poderemos comemora a vitória definitiva”.
O Coordenado Geral da Regional do SINTE/RN, professor Roberto Sérgio, informou que tod@s aqueles(as) que se sintam prejudicad@s deverão dá entrada na sede da Regional do SINTE, em Caicó, na próxima semana, com as cópias dos documentos comprobatórios das irregularidades cometidas pelo governo, para que se possa tomar as medidas jurídicas indenizatórias cabíveis. Afirmou ainda que, de qualquer maneira, não podemos deixar de reconhecer a importância dos avanços e das vitórias conquistadas pela luta dos trabalhadores em educação com a Greve desse ano.



sexta-feira, 4 de abril de 2014


GREGÓRIO BEZERRA:
“FEITO DE FERRO E DE FLOR"

"Mas existe nesta terra muito homem de valor que é bravo sem matar gente, mas não teme o matador, que gosta da sua gente e que luta a seu favor, como Gregório Bezerra, feito de ferro e de flor." 
(Ferreira Gullar)


Nordestino valente e destemido, homem simples de fortes princípios éticos e morais. Líder camponês nato e dirigente comunista revolucionário passou 22 anos de sua vida na cadeia. No Golpe Militar de 1964, a insanidade, o sadismo e a tortura dos quartéis, no Nordeste começara cedo, logo no dia 2 de abril, quando, diante do povo simples do lugar, Gregório Bezerra fora preso, amarrado pelo pescoço como um animal e arrastado pelas ruas de Casa Forte, no Recife (Hugo Martins).


CONHEÇA UM POUCO DE SUA LUTA

Gregório Bezerra nasceu na região do agreste Pernambucano de Panelas/PE, em 13 de março de 1900 e falesceu em São Paulo, 21 de outubro de 1983. Aos quatro anos de idade começou a trabalhar na lavoura de cana-de-açúcar, para ajudar a família, e aos nove já havia perdido os pais. Migrou para o Recife e, como a maioria dos migrantes pobres era sem-terra, sem-teto dormiu por muito tempo entre nas catatumbas do cemitério de Santo Amaro. Gregório foi analfabeto até 25 anos de idade, foi carregador de bagagens na estação central, jornaleiro (profissão que o levou a se interessar pela política), foi ainda ajudante de obras, trabalhando como operário da construção civil.
A primeira das suas muitas prisões ocorreu em 1917, quando participava de uma manifestação de apoio à Revolução Bolchevique e das primeiras ondas de greve geral por direitos trabalhistas no Brasil. Preso por cinco anos na antiga Casa de Detenção do Recife conheceu o cangaceiro Antônio Silvino, de quem se tornou amigo. Após sair da prisão decidiu ingressar na carreira militar. Em 1922 alistou-se no exército; alfabetizou-se e em 1929 entrou para a Escola de Sargentos; Foi instrutor da Companhia de Metralhadoras Pesadas na Vila Militar e instrutor de Esportes, no Rio de Janeiro. 
De volta ao Recife, filiou-se, em 1930, ao Partido Comunista Brasileiro (PCB). Em 1935, no Recife, liderou o levante militar promovido pela Aliança Nacional Libertadora (ALN), sendo condenado a 28 anos de prisão, acusado da morte de um oficial durante uma ação para conseguir armamentos de um quartel militar no Recife para a Revolução de 1935. Em seguida fora levado, primeiro para Fernando de Noronha e, depois para o Rio de Janeiro, no Presídio Frei Caneca, onde dividiu cela com o ex-comandante da Coluna Prestes e secretário geral do Partido Comunista do Brasil, Luís Carlos Prestes.
Com o fim do Estado Novo, foi anistiado e elegeu-se constituinte (depois deputado federal), em 1946, por Pernambuco, na legenda do PCB, sendo o deputado constituinte mais votado do estado. Teve seu mandato cassado em 1948, juntamente com todos os parlamentares comunistas. Viveu na clandestinidade por nove anos, organizando núcleos sindicais no Paraná e em Goiás.
Foi preso imediatamente após o golpe militar brasileiro de 1964, nas terras da Usina Pedrosa, próximo a Cortês-PE, pelo capitão Álvaro do Rêgo Barros, quando tentava organizar a resistência armada dos camponeses ao golpe em apoio ao governo federal de João Goulart, e estadual de Miguel Arraes de Alencar.
Após a prisão foi transferido para o Recife, onde foi torturado e arrastado em praça pública no bairro de Casa Forte por oficiais do Exército Brasileiro, com uma corda no pescoço, e teve os seus pés imersos em solução de bateria de carro, ficando em carne viva, atrocidade exibida pelas tv local.

Condenado a 19 anos de reclusão, teve seus direitos políticos cassados por força do Ato Institucional nº 1. Foi libertado, em 1969, juntamente com outros 14 presos políticos, em troca da devolução do Embaixador dos Estados unidos no Brasil, sequestrado por um grupo de oposição armada.
No exílio, viveu no México e na então União Soviética, retornando ao Brasil dez anos depois, em 1979, com a anistia. Logo, entrou em divergência com o seu partido (o PCB), desligando-se de seus quadros. Gregório apoiou o Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) e, nessa legenda, candidatou-se, em 1982, à Câmara dos Deputados, ficando como suplente. 
Comparado a Nelson Mandela, que passou 27 anos Gregório Bezerra, passou 22 anos de sua vida preso por motivos exclusivamente políticos.Antes de morrer, Gregório declarou: “Gostaria de ser lembrado como o homem que foi amigo das crianças, dos pobres e excluídos; amado e respeitado pelo povo, pelas massas exploradas e sofridas; odiado e temido pelos capitalistas, sendo considerado o inimigo número um das ditaduras fascistas”.
(Adaptação: Hugo Martins - Fonte: http://pt.wikipedia.org/)





quinta-feira, 3 de abril de 2014


NOTA

A Regional de Caicó do SINTE/RN parabeniza a tod@s os(as) professores(as), estudantes e apoiadores(as) que, atendendo ao chamamento do nosso sindicato, participaram da vitoriosa e exitosa caminhada de protesto e repúdio ao autoritarismo, ao desrespeito e à perseguição sofrida pelos professores que foram atingido pelo vergonhoso corte ilegal dos seus salários (em fevereiro e março) como medida punitiva por terem tido a coragem de lutar e denunciar a falta de compromisso do governo Rosalba com os profissionais e com a educação pública do RN.
O SINTE/RN foi informado extraoficialmente, no final da tarde do dia 1° de abril (ironicamente no popular “dia da mentira”) que a Secretaria Estadual de Educação iria voltar atrás e devolver o dinheiro descontado ilegalmente durante a greve e que a devolução dos salários descontados ocorreria até a próxima sexta-feira (dia 04). Ficamos sabendo, ainda, que a decisão da SEEC, caso se confirme, implicará consequentemente na desistência do processo no Supremo Tribunal Federal (STF).
Porém, a Assessoria Jurídica SINTE/RN se mantém cautelosa, tendo em vista ser preciso que o Estado formalize o procedimento na Justiça para se ter a certeza da informação. Mas, a Direção do sindicato está otimista quanto ao desfecho do processo e irá aguardar a oficialização da decisão para se manifestar sobre o assunto.
A vitória definitiva não tardará!


Caicó-RN, 01 de março de 2014.

CORDENAÇÃO DA REGIONAL
DE CAICÓ DO SINTE/RN



Caicó: professores e estudantes realizam manifestação de protesto contra o corte ilegal dos salários dos grevistas

Na amanhã desta segunda, dia 1º de abril, as aulas foram nas ruas! A cidade de Caicó despertou com uma importante caminhada de protesto dos trabalhadores em educação e estudantes da rede estadual de ensino, contra o corte ilegal do salário dos professores e contra o descaso do governo Rosalba com a educação pública do RN.

A manifestação foi promovida pela Regional de Caicó do SINTE/RN, contando com a presença de professores, estudantes das escolas da rede estadual de Caicó e apoiadores que se solidarizaram à luta. A caminhada contou ainda com a presença do Coordenador Regional de Caicó do SINTE, professor Roberto Sérgio, além dos professores Fátima Cardoso e José Teixeira, da direção estadual do SINTE/RN.

A concentração ocorreu na Praça do Senador Guerra donde os manifestantes saíram em caminhada pela Av. Cel. Martiniano em direção à 10ª DIRED, conduzindo: faixas, cartazes, promovendo apitaços e entoando palavras de ordens contra o descaso do Governo do RN com a educação. Por onde passava os manifestantes recebiam a solidariedade da comunidade caicoense.

A caminhada pacífica encerrou com um protesto ocorrido nas dependências da 10ª DIRED de Caicó, onde foram recebidos pela Diretora da repartição, Lucinha Gregório, que ouviu as reclamações dos manifestantes, suas reivindicações e seu repúdio acerca da perseguição sofrida pelos professores de Caicó e Jardim de Piranhas, que juntamente com companheiros de Angicos, atingidos com a medida repressiva e autoritária do Governo Rosalba, através dos descontos em seus salários, causando enormes danos morais aos professores.

Após o encerramento da manifestação, uma comitiva de professores, alunos e dirigentes sindicais se dirigiram às emissoras de Rádio locais (Rádio Rural–AM, Rádio Seridó-AM e 96-FM), concedendo entrevistas e participando de programas.


quarta-feira, 2 de abril de 2014


CNTE LANÇA CAMPANHA PARA MUDAR NOMES DE ESCOLAS

Há 50 anos o Brasil tornou-se refém da Ditadura Militar. Hoje, enquanto vítimas do golpe são esquecidas, escolas brasileiras carregam o nome de pessoas que colaboraram para a queda do governo democrático e para a imposição de um regime de terror no país naquele fatídico 31 de março.
A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, com o objetivo de celebrar a resistência da sociedade brasileira contra o estado de exceção determinado pelos militares, então apoiados pela elite nacional e pelos Estados Unidos da América, organiza uma campanha em memória dos/as trabalhadores/as em educação que lutaram contra a Ditadura e foram vítimas do Golpe Civil-Militar.
A CNTE criou uma página na internet (ditaduranuncamais.cnte.org.br) para destacar o retrocesso causado para a educação brasileira e lembrar os trabalhadores perseguidos por um regime que cassou direitos individuais, coletivos e políticos, abusou da integridade física e psíquica de milhares de pessoas, impôs ideologias conservadoras à sociedade, perseguiu, prendeu, torturou, exilou e matou cidadãos e cidadãs, cujos crimes (muitos deles) ainda carecem de elucidação e/ou reconhecimento por parte do Estado. 
A entidade também dá início a amplo movimento de mudança de nomes de escolas que homenageiam agentes patrocinadores do Golpe e os ditadores de plantão. A ideia é propor projetos de iniciativa popular às Assembleias Legislativas e Câmaras de Vereadores, após a realização de amplo debate com a comunidade escolar, a fim de legitimar o pleito. 





Dinheiro do corte ilegal do ponto pode ser devolvido até a próxima sexta-feira
   
O Sinte-RN foi informado extraoficialmente, no final da tarde de hoje (01/04) que a Secretaria Estadual de Educação vai voltar atrás e devolver o dinheiro descontado ilegalmente durante a greve. Ainda segundo a informação da SEEC, o dinheiro será devolvido até a próxima sexta-feira(dia 04/04). A decisão implica também na desistência do processo no Supremo Tribunal Federal.
A Assessoria Jurídica está cautelosa. Segundo o advogado do Sinte-RN, Carlos Gondim, é preciso que o Estado formalize o procedimento na Justiça para se ter a certeza da informação. A direção do Sindicato está otimista quanto ao desfecho do processo, mas afirma que vai aguardar a oficialização da decisão para se manifestar sobre o assunto.